sábado, 29 de março de 2014

Lendo E...



O costume é algo estranho.

Cada um tem suas loucuras, eu tenho um monte, é claro. Uma delas é ler ouvindo música. Lembro-me de um amigo do meu tio que ficou estarrecido com a cena. “Credo! Você é doido. Como você consegue? Eu jamais conseguiria. Barulho me atrapalha a concentrar”. Expliquei que sempre foi assim. Mas também é a única coisa que posso me vangloriar, pois sou muito tapado. É sério. Tenho minhas dúvidas se consigo subir escada mastigando chiclete. Pelo menos era o que minha mãe costumava dizer. Mas eu contradizia com humor que pelo menos na escada rolante eu me garantia. Mas começo a duvidar disso também.

Bem voltando ao que interessa...

A cena foi bem engraçada. Mas sempre tive esse costume bizarro. Eu fui forçado a tê-lo, na verdade. Meu irmão mais velho sempre ouvia seu funk a toda altura em casa. E era um incomodo horrível. Parecia um terremoto. Tudo tremia. O vidro, os vasos, a cama, a casa, o planeta... A música já era riquíssima em vocabulário, além de incríveis apologias e duplos sentidos. Ou seja, um poço de cultura. É quase impossível não se vê perturbado por aquele ritual satânico... opa, quero dizer: MÚSICA.(Até parece!)

A solução foi: Ou você aprende a bloquear a mente ou nunca conseguirá fazer nada. Então com o tempo peguei o jeito. Hoje já não me importo. Pode passar um carro automotivo com som de mulher gemendo o quanto quiser que nem me importo. Leio em qualquer lugar. Só não consigo ler em movimento, pois a oscilação me dá dor de cabeça com o tempo.

Mas é isso. Um costume de doido.

0 comentários:

Postar um comentário